quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Meu choro

Ando chorando a toa
A ciência chama depressão
Na minha’alma ecoa
A tristeza do meu coração.

É um choro de mágoa solitário
Minh ‘alma guarda com tristeza
Palavras de um desafeto desnecessário
Que calei com tanta indelicadeza.

Sensível e frágil alma, sou assim!
Os segredos de minha dor
Só o meu travesseiro , sabe de mim!

E o tempo implacável professor
Chorará o meu pranto até o fim
Aliviando uma alma que vive de amor.

Iracema Patrício

TE ESPERO

Fim de tarde eu te espero
Como quem espera um anjo
Para iluminar a minha noite
E acalentar os meu sonhos.

Mas tu não vens!
Sei que não és o culpado
O  motivo não tem explicação
Chora em pranto meu coração.

Culpa, de quem é a culpa?
As pessoas, quem as entenderá?
Em cada íntimo há um mundo de loucura
Pode ser um anjo, demônio e ter candura.

E nesses desencontros de sentimentos
Sofro e me sinto impotente
Nada posso fazer, somente sonhar
E no fim de tarde te esperar.

Iracema Patrício


 
Fiz esse poema para uma pessoa muito especial na minha vida, para um amor incondicional, ele nunca saberá nem entenderá porque estão me afastando dele,  nem eu  mesma não entendo, somente sei que ele representa no momento a pessoinha que me deixa mais  felizzzz na vida, pela sua alegria e amor para comigo...as pessoas são crueis e não querem ver ninguém feliz!!!